Mudanças corporais durante o pós-parto

Tempo de leitura: 4 minutos

Mudanças corporais durante o pós-parto

O período posterior ao parto caracteriza-se pela produção de uma série de alterações no corpo da mulher, não só a nível genital, mas em todo o organismo, para que o mesmo regresse progressivamente à normalidade existente antes da gravidez.Mudanças corporais durante o pós-parto

Ao longo da gravidez, o organismo da mãe passa por uma série de alterações, de modo a poder acolher e dar à luz um novo ser. Após o parto, estas modificações sofrem uma involução ao longo da qual o corpo da mulher vai recuperando as características anteriores à gravidez.

As alterações corporais ao longo do puerpério ocorrem seis semanas após o parto, ou seja, levam cerca de quarenta dias a manifestar-se, o que justifica o fato de este período ser igualmente denominado quarentena.

Embora as alterações corporais ao longo do puerpério comprometam todo o organismo da mãe, afetam essencialmente, os órgãos genitais, a musculatura pélvica e abdominal e como é óbvio, o peso do corpo. Os seios aumentam de tamanho e a mulher entrará na fase da apojadura do leite, em alguns casos as mamas ficam endurecidas, doloridas e quentes. Nesse momento é aconselhável massagear a mama e fazer a ordenha manual ou utilizar bombinha extratora de leite.

A mulher que acaba de dar á luz deve conhecer as alterações corporais e as manifestações produzidas de forma espontânea e natural durante o puerpério, de modo a estar mais capacitada para distinguir e detectar com maior facilidade e rapidez o eventual aparecimento de uma série de sintomas e sinais que possam indicar o desenvolvimento de complicações, de menor ou maior gravidade, nesta etapa tão especial da vida.Mudanças corporais durante o pós-parto 1

As alterações no puerpério mais significativas ocorrem no útero, o órgão que durante a gravidez aumenta várias vezes de volume, de modo a abrigar o novo ser, o líquido amniótico, a placenta e as membranas adjacentes. O pós-parto caracteriza-se por uma significativa redução do volume do órgão, já que seis semanas após o parto o útero volta a adquirir um tamanho quase idêntico ao que tinha antes da gravidez.

Antes que o útero inicie a sua progressiva redução de tamanho, desenvolve-se um fenômeno reflexo chamado globo de segurança. É quando nas horas seguintes ao parto, o útero contrai-se de forma intensa e adquire uma consistência dura muito características, fazendo com que as suas paredes comprimam os vasos sanguíneos que nutriam a placenta e que ficam abertos após o alumbramento, impedindo a produção de uma hemorragia. Esse fenômeno pode ser acompanhado por uma sensação de arrepios generalizados, na maioria dos casos muito intensos, semelhantes aos provocados pelo frio ambiental e que, embora se possam tornar desagradáveis, não constituem qualquer perigo.

Após o parto, o interior do útero continua a abrigar restos da parte uterina da placenta e coágulos de sangue, elementos que devem ser eliminados através de específicas secreções vaginais denominadas lóquios.Tanto o volume como o aspecto destas secreções vão-se alterando à medida que os tecidos uterinos regressam à normalidade. Ao longo das primeiras horas do período pós-parto, os lóquios são abundantes e de cor vermelha, pois são constituídos essencialmente de sangue. Ao fim de 2 a 4 dias, começam a ser menos volumosos e tornam-se escassos, de consistência cremosa e de tonalidade esbranquiçada.Mudanças corporais durante o pós-parto 6

Os lóquios costumam desaparecer ao fim de um período de tempo que oscila entre 10 a 15 dias após o parto, embora as secreções esbranquiçadas possam persistir até cerca de cinco semanas.

Para facilitar a eliminação dos resíduos uterinos após o parto, o útero passa por contrações muito intensas, que provocam dores abdominais.

A mulher costuma, ao longo dos primeiros dias do puerpério, apresentar uma certa tendência para a retenção da urina, sobretudo devido a uma diminuição do tônus da bexiga, que se manifesta através de uma redução na freqüência e volume da urina emitida ou, muito pelo contrário, mediante uma incontinência urinária por transbordamento.

Mudanças corporais durante o pós-parto 5Além das transformações no corpo, a mulher costuma ser, ao longo do puerpério, afetada por uma alteração do seu estado de ânimo, uma espécie de estado melancólico, compatível com uma ligeira depressão, devido às bruscas alterações ocorridas nas últimas semanas da gravidez e nas primeiras do pós-parto: o esgotamento físico, o sono interrompido para amamentar, as alterações hormonais, os problemas próprios desta fase, o encontro com o seu bebê e as responsabilidades inerentes ao fato de ser mãe.

Mulher converse com seu obstetra no pós-parto tire suas dúvidas, observe seu corpo e se não estiver bem, procure ajuda de um profissional qualificado.

Desfrute desse momento e decida ser feliz.

Sobre Flávia Rohan

Consultora em Amamentação, Fonoaudióloga, Psicomotricista, Pós-graduada em Motricidade Oral e Audiologia Clínica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *